sexta-feira, 16 de abril de 2010

Aumenta número de roubos que terminam com morte em MS

O relatório das ações policiais e ocorrências referentes ao primeiro trimestre deste ano, divulgado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, aponta que no primeiro trimestre deste ano os casos de roubo seguido de morte dispararam na Capital e em cidades do interior.

Em Campo Grande foram cinco latrocínios, contra um de janeiro a março de 2009. Nas cidades do interior o número de crimes desse tipo saltou de três para cinco.

Um dos casos que causou comoção, na Capital, foi a morte do estudante Paulo Henrique Rodrigues, 17 anos, ocorrido no dia 17 de fevereiro no Jardim Tarumã. Ele foi atingido por um tiro disparado por bandidos durante um assalto do outro lado da rua em que ele trabalhava.

Em março dois comerciantes foram mortos no bairro Cidade Morena, região da saída para São Paulo. Juarez Alves Feitosa, de 35 anos, foi assassinado a tiros no dia 11, quando ajudava um funcionário cujo carro havia estragado na Gury Marques e Geraldo Cardoso, de 63 anos, foi morto a tiros em um bar, na noite do dia 22. Dois dias depois, no bairro São Francisco, o aposentado Franckilin Yashuhiro Shinzato, de 78 anos, foi espancado e morto e o carro dele foi roubado.

Na Capital os roubos aumentaram em 4%, totalizando 1.209 em três meses contra 1.161 em igual período do ano anterior. No interior houve redução de 15%, de 785 para 667.

Os assassinatos não relacionados com roubos também diminuíram, de 36 para 33 na Capital e de 121 a 92 no interior do Estado.

Outro dado revelado pelo relatório é que com a nova legislação, que amplia os crimes qualificados como estupro, os registros dispararam. Somam 54 na Capital, contra 31 de janeiro a março de 2009 e nas cidades do interior de 50 saltaram para 136.

Ainda de acordo com o relatório, aumentaram os golpes aplicados por estelionatários em todo o Estado. No primeiro trimestre deste ano foram 265 casos nas cidades do interior e 195 na Capital, aumento de 13% e 6%, respectivamente.

Confira aqui o relatório de 2009
Confira aqui o relatório de 2010
Postar um comentário